domingo, 24 de novembro de 2013

BISPO PROÍBE MISSA DE CURA E LIBERTAÇÃO

Ao passar dos tempos nada mais normal que as mudanças aconteçam. E com a criação da chamada Aldeia Global que se tornou o planeta, as mudanças estão cada vez mais rápidas. A religião não poderia ser diferente, mas entre todas as denominações a Igreja Católica tem algo peculiar, enquanto as igrejas Evangélicas costumam se dividir quando há um problema dogmático, a Católica abraça as diferenças. Chegando ao ponto, nesse caso não por culpa da direção da igreja, de alguns católicos terem crenças que se aproximem das religiões espíritas, e também das de matriz Africana. Esse fenômeno é facilmente identificado, por exemplo, no culto a Iemanjá durante as festas na virado do ano, mais evidenciado no Rio e na Bahia.

Uma dessas vertentes dentro da Igreja Católica é a chamada Renovação Carismática, que tem ligação com movimento pentecostal, que por sua vez tem uma ligação às Igrejas Evangélicas com doutrinas pentecostais. Os pentecostais têm algumas práticas que são contestadas por outras denominações, como falar em línguas, dançar e cair no espírito, entre outras. Já faz um tempo que a Renovação está realizando celebrações com contexto pentecostal “eu me senti em um culto” disse um católico que participou de uma dessas celebrações, com algumas mudanças, ao invés de “cair no espírito”, os carismáticos chamam de “repousar no espírito”. Na diocese de Iguatu e em Piquet Carneiro não é diferente, já faz um tempo que as missas de cura e libertação são celebradas e tem seu foco nos jovens.

Conversei com algumas pessoas que participaram da celebração. É feito todo um clima para o momento, apagam as luzes, tocam músicas e dizem frases, quase como uma sessão de relaxamento, é pedido também que as pessoas coloquem seus problemas na mão de Deus e coisas do tipo. Em evidencia o artefato que é chamado de ostensório, que tem no seu centro uma hóstia, todo dourado, alguns tem um formato de cruz, mas sempre circular parecido com um troféu. O padre chega perto da platéia e com uma mão segura o ostensório, e a outra toca na cabeça do fiel. “Ele tentou me empurrar, forçando um pouco a barra. Quando não caí ele passou pro do lado... a maioria que cai é mulher” contou um participante, que continuou dizendo “um certo momento parece que você esta num lugar assombrado, a todo momento se escuta gente chorando e o som de pessoas caindo no banco”.

É esse tipo de celebração que o Bispo da Diocese de Iguatu proibiu os párocos de realizar em carta mandada a cada um, e publicada no site da diocese. Outro ponto polêmico que já vem separando as ideologias dentro da igreja, é o fato do bispo afirmar que os movimentos pentecostais dão ênfase ao subjetivismo e distancia-se da realidade. Para ler nas entrelinhas o que o bispo quer dizer isso é preciso entender o contexto que se encontra a Igreja Católica no todo. Há quem defenda que a igreja só deve se preocupar com a questão espiritual, que pode ou não afetar o dia a dia do fiel, mas outra vertente muito forte entre as pastorais sociais (Pastoral Criança, Carcerária, da terra, de Juventude entre outras) e as Comunidades Eclesiais de Base (CEBS) pensam diferente e acreditam numa espécie de igreja humanitária que tenha em seus fundamentos a ajuda ao próximo.

No começo da noite do dia 18 de abril de 2009 Dom João chegava para missa ao lado da Igreja Catedral de São José. Eu fui acompanhando a comitiva que foi de Piquet Carneiro para receber o novo bispo, o terceiro da diocese que na época tinha 47 anos de existência. Fiquei o tempo todo perto dos integrantes da Pastoral de Juventude do Meio Popular (PJMP), onde tenho alguns amigos. Todos muito ansiosos para chegada do novo líder, quando de repente começou uma festa, um grupo pulando e gritando pelo simples fato do Bispo está usando um anel, mas não era um anel qualquer. Ao conhecer o simbolismo em volta do Anel de Tucum (anel feito a partir de uma palmeira, é completamente preto) é compreensível a felicidade da PJMP naquele dia. O anel que começou a ser usado pelos negros e índios, no tempo do império, foi resgatado por fiéis cristãos, especialmente adeptos da teologia da libertação, com o objetivo de simbolizar a “opção preferencial pelos pobres". Entre os grupos que não gostam do jeito da Renovação agir há um dito comum “eles adoram um Deus que está lá em cima distante de nós”.

Confira as proibições que contém a carta:

1. Que não haja celebrações em território diocesano, das chamadas missas de cura e libertação;

2. Que nenhum padre está autorizado a realizar eventos diocesanos nos quais, publicamente, seja proclamada a realização de curas e libertação;

3. Que não haja nas celebrações litúrgicas públicas da Comunidade, oração em línguas ou o chamado “repouso” no Espírito Santo;

4. Que as celebrações da Eucaristia e demais sacramentos sejam preservadas de quaisquer abusos litúrgicos, devendo, pois serem observadas normas e orientações da Santa Sé e CNBB. Evite-se, portanto, substituição de leituras bíblicas por outras quaisquer, mesmo que sejam de Documentos da Igreja;

5. Quanto ao culto eucarístico fora da missa, sejam observadas as orientações da Santa Sé, evitando-se quaisquer exageros que possam desviar a centralidade da presença real de Cristo na Eucaristia e de Sua ação salvífica.

... aos 25 de outubro de 2013, Ano da Fé e Dia de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão.

Denison F. Vieira

Nenhum comentário :

Postar um comentário

"O sucesso normalmente contempla aqueles que estão ocupados demais para procurar por ele"