domingo, 10 de julho de 2011

A Internet chegou para nos libertar. Será?

    “A internet chegou para nos libertar” essa frase deve ter sido dita por várias vezes pelos que se sentiam aprisionados pelo monopólio da informação. Pessoas que enxergaram na chegada da rede mundial de computadores a oportunidade de interagir com informações realmente independentes de pessoas comuns que resolveram entrar na disputa pela sua audiência, seja em um vídeo, texto ou música. Mas será que aproveitamos essa oportunidade? Ou a desperdiçamos, sendo um internauta daltônico que só consegue enxergar duas cores, o rosa do Orkut e o verde do MSN? Será que fazemos por merecer toda a informação do mundo em uma janela, que despeja tudo isso em nossa casa? Não acredito que a internet foi criada para vermos as ultimas fotos de nossos amigos enquanto a novela das seis não começa. A s pesquisas dizem que a TV perdeu audiência para internet. Mas Será que a TV perdeu todo esse público? Por vezes vejo pessoas dizendo: “deu no G1(portal de notícias da Globo)”, “eu vi no R7(portal de notícias da Record)''. Isso é mudar de mídia, mas continuar a ouvir da mesma fonte. E ainda há quem assista a Malhação pelo youtube. Isso é usar a tecnologia para aumentar a mediocridade da prisão chamada TV.

    A internet vai cada vez mais distanciar as pessoas que sabem usa-la, e as pessoas que acham que a internet é o Google, e pior, as que não sabem o que é o Google. Isso me faz lembrar da célebre frase “em terra de cego quem enxerga é rei”.

    Mas o que fazer? Simples, crie. Criar é uma das engrenagens mais importantes, se ainda sonhamos em ser um país de primeiro mundo. Seja curioso, mas não pela fofoca. Junte a curiosidade e a arte da criação e você terá a combinação perfeita para quem quer evoluir e sair do marasmo, muitas vezes imposto por nossa vida confortável. Questione, um será depois de toda afirmação nos torna pessoas mais atentas. Será?

Dênison Ferreira Vieira

Nenhum comentário :

Postar um comentário

"O sucesso normalmente contempla aqueles que estão ocupados demais para procurar por ele"