segunda-feira, 2 de maio de 2011

De Antônio Freire a Bonfim Jaime, Um a Um, Os Vigários de Piquet Carneiro

PE. ALBERTO NEPOMUCENO DE OLIVEIRANESTA EDIÇÃO, FOCALIZAMOS A FIGURA DO PE. ALBERTO NEPOMUCENO DE OLIVEIRA
2º VIGÁRIO: DE 6 DE MARÇO DE 1955 até 29 DE JANEIRO DE 1959

Alberto Nepomuceno de Oliveira nasceu em Pacatuba, Ceará, no ano de 1921. Cursou filosofia e teologia no velho e célebre Seminário da Prainha, em Fortaleza, ambiente  então , notadamente marcado,  por uma cultura,  diga-se de passagem,  "europeizada", visto que ali residiam , na condição de professores, alguns padres franceses, membros da Congregação da Missão,  ou Padres Lazaristas, sociedade de vida apostólica fundada,  em 1625,  por São Vicente de Paulo.

No dia 6 de março de 1955, Alberto chega a Piquet Carneiro, a fim de suceder ao Pe. Antônio Pinheiro Freire, no cargo de Vigário da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, nomeado, que fora, por Dom Antônio de Almeida Lustosa, na época arcebispo de Fortaleza. De próprio punho, Pe. Alberto  assim se refere à sua vinda para nossa terra, e , por conseguinte, às impressões colhidas do seu primeiro contato com a paróquia local.  Uma verdadeira relíquia do nosso passado religioso, que vale a pena ser aqui registrada.  Veja-se: "Tomei posse da Paróquia de Piquet Carneiro, a 6 de março de 1955. Encontrei uma paróquia bem organizada, em todos os pontos, graças ao trabalho apostólico do primeiro vigário. Bem florescentes, as associações religiosas, na sede e nas capelas. Encontrei um povo bom e vontadoso, disposto a colaborar em todas as iniciativas do vigário. O povo tem bom espírito. A piedade em Piquet Carneiro (na matriz) é boa. Quase que a totalidade dos fiéis assisti à missa aos domingos. (...) Encontrei, também, boa piedade nas capelas, máxime em São Bernardo (ndr: hoje, Irapuan Pinheiro). Em Mulungu, encontrei um surto de protestantes, presbiterianos; em Ibicuã, igualmente, uns seis. (...) As primeiras sextas-feiras, na matriz, são concorridas, havendo muitas comunhões. A devoção dominante é ao Sagrado Coração de Jesus. O Apostolado da Oração, muito florescente. Os Vicentinos realizam um belo e organizado serviço de caridade. O Círculo Operário presta aos sócios uma louvável assistência, graças à dedicação e ao zelo da diretoria, que tem, à sua frente, liderando os movimentos, o sr. João Marques da Silva (seu Joca). Piquet Carneiro tem um Círculo Operário!." (Cf. Livro do Tombo - Paróquia de Piquet Carneiro - pág. 13 - Tomo I).

 

Na mesma fonte, isto é, o Livro do Tombo, encontramos um resumo, ano após ano, deixado pelo Pe. Alberto Oliveira, de seus feitos à frente da Paróquia de Piquet Carneiro. Resumo este, não apenas sob o ponto de vista do religioso, mas também em relação  a aspectos de natureza político-social.

Também nas páginas do Tombo,  não passou despercebida, da parte do cronista Alberto Oliveira, a crueldade com que a seca de 1958 açoitou nossos sertões. 
1955: "Em 1955, tive um ano normal. Houve inverno. Um novenário muito concorrido, por ocasião das solenidades do Padroeiro (ndr: Sagrado Coração de Jesus!). Dividi as páscoas em quatro classes: as crianças, as moças, as mulheres e os homens. Cada classe teve o seu retiro e o seu pregador próprio. Isto, na sede. Foi feita a desobriga, em vários dias, em cada uma das capelas, tendo sempre o vigário muito trabalho de confissões, exceto em Mulungu, cujo povo se desloca procurando, de preferência, desobrigar-se na matriz, por causa, talvez, da ajuda de um confessor extraordinário, e por ser muito perto da sede."
1956: "O ano de 1956 foi semelhante ao anterior no movimento paroquial. Houve um grande inverno e uma safra de algodão surpreendente. A ajuda que os paroquianos deram aos trabalhos paroquiais foi magnífica e com a ajuda do povo muito se pôde fazer."
1957: "Durante o ano de 1957, obedeci o mesmo programa de páscoas, de desobrigas, de festas religiosas. Da parte dos fiéis, as mesmas intenções e resultado. Durante o mês de dezembro, recebemos a visita dos missionários lazaristas que estiveram em Ibicuã, São Bernardo e na Matriz. Missões em 1957: Em Ibicuã, de 3 a 9 de dezembro: 2.391 comunhões; Em São Bernardo: de 10 a 17 de dezembro: 3.658 comunhões. Em Piquet Carneiro: de 18 a 24 de dezembro: 2.674 comunhões. Estas MISSÕES foram realizadas pelos revmos. padres João Alberto, Teodoro e André, todos lazaristas."
1958: "1958 fica na retentiva dos homens de Piquet pelo flagelo da seca com que martirizou estes sertões. Um ano difícil, de sofrimento, de nenhuma safra, de carência absoluta de gêneros, de muita fome, de debandadas, retiradas em massa para o extremo-norte ou o extremo-sul. A jovem cidade (Nr. P. Carneiro passou à cidade em 11 de agosto de 1957) despovoou-se a olhos vistos. As autoridades competentes, com um certo atraso, ofereceram trabalhos públicos: rodovias e ramal ferroviário para assistir aos pobres flagelados. O flagelo da seca, no território desta paróquia, comportava uma página. Eu digo tudo, dizendo que a seca de 58, em Piquet Carneiro, foi uma calamidade pública."
Pe. Alberto Oliveira concluiu os trabalhos de reforma e ampliação da matriz, com as construções, respectivamente, da TORRE, em 1956, e do ALTAR-MOR, solenemente consagrado em 27 de outubro de 1957.

A aquisição de um relógio para a torre de nossa igreja é  outra realização de seu  pastoral governo.

Numa época em que  a comunicação em Piquet Carneiro limitava-se, basicamente , ao telégrafo da estação ferroviária, Pe. Alberto mantinha,  na casa paroquial , um rádio amador, instrumento que lhe permitia estreitar contato com diversas pessoas.

VIDA ACADEMICISTA E CARGOS EXERCIDOS NA VIDA PÚBLICA:  Alberto Oliveira é Licenciado em Pedagogia, Direito e Filosofia. Fez pós-graduação na Itália, e mestrado na França. Foi diretor de dois colégios do estado e membro do Conselho Estadual de Educação. Por concurso público, tornou-se professor do Liceu e da Universidade Estadual do Ceará. Ocupou as funções de Presidente da FUNABEM, secção do Ceará, e da Fundação Educacional de Fortaleza. Membro da OAB e da ACI. Pertenceu à Assessoria Especial da Governadoria e à Procuradoria Judicial do município de Fortaleza.
LIVROS PUBLICADOS: Juventude, Crise e Educação; Droga - Perigo Nacional; Ressonâncias - poesias; Organizar para servir; Sociologia da Comunicação Social; Educação Permanente; Pedaços de uma vida (autobiografia); A Cigana Disse (romance - em preparo); Israel, Sua História e Seu Povo; Páginas que ficaram (crônicas de suas andanças pelo sertão)
Em fins da década de 1960, Pe. Alberto solicitou ao Vaticano dispensa do ministério sacerdotal.  Hoje, casado, reside em Fortaleza.


UMA PESQUISA E TEXTO:
Prof. Osmar Lucena Filho
FONTES DE CONSULTA: 
Livro de Tombo da Paróquia de Piquet Carneiro - TOMO 1, de 1948-2006; "Israel: Sua História e Seu Povo", livro de autoria de Alberto Nepomuceno de Oliveira. Imprensa Oficial do Ceará - IOCE, 1989. No tocante ao  "rádio-amador", depoimento que me foi prestado por meu pai, Osmar Pereira de Lucena, colaborador do vigário em pauta.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

"O sucesso normalmente contempla aqueles que estão ocupados demais para procurar por ele"