quarta-feira, 9 de março de 2011

O segredo da felicidade

A vida é cheia de armadilhas! Nem sempre essas armadilhas são prejudiciais, mas elas nos condicionam a seguir caminhos que escolhemos sem saber que seria aquele o destino final. Nós podemos ganhar na Mega Sena hoje, comprar casas, roupas caras e carros de luxo amanhã, e morrer no dia seguinte. Recebemos geração após geração conselhos para não se apegar ao luxo, às propriedades terrenas, porque podemos morrer a qualquer momento. Daí surgiu o conselho adotado por 99,9% dos adeptos da felicidade radical: “viva cada dia como se fosse o último”.

    Eu diria que essa é uma sugestão muito desumana. O que parece a muitos o mais sábio dos ensinamentos é na verdade uma interpretação controversa da vida e da felicidade verdadeira, pois ao nos ensinar que devemos conduzir nossas vidas como se a morte viesse nos ceifar à qualquer instante ela nos limita a agir dentro de uma prisão ideológica, onde temos sempre que escolher o que é bom e o que é ruim, qual religião salva e qual é pecado, isso porque o tempo é pouco e jamais poderemos fazer tudo, quando na verdade a vida não deveria ser uma prova de inteligência e atletismo contra o tempo, mas degustada pedacinho por pedacinho, porque tudo tem seu valor, sua importância, tempo e hora.

    A vida não é curta! Ela dura apenas o suficiente para que façamos aquilo que delega a nossa capacidade, seja ela física, intelectual, sentimental ou espiritual. Ser feliz não é ter tudo que todo mundo acha que quer, mas fazer tudo que você acha necessário, lutar pelo que acredita, arriscar-se pelo que vale a pena e ter a plena consciência de que a felicidade não existe, não pode ser identificada, ela é apenas reflexo de alguns momentos marcantes que nós jamais imaginávamos que fossem os melhores da nossa vida, mas o são, e só seremos capazes de distingui-los ao fim das nossas existências, quando tentaremos – erroneamente – ensinar aos nossos netos “o segredo da felicidade”.

    Contrariando a filosofia de 99,9% dos felizardos de plantão, eu desafio você a viver cada experiência como se fosse a “primeira”. Pense como seria bom sentir o corpo todo ferver, as pernas tremerem, e o mundo girar sempre que você beijasse alguém; pense na sensação de liberdade quando você andou de bicicleta pela primeira vez; enfim, quase tudo que fizemos pela primeira vez é beneficamente marcante, e nos salta à mente vez por outra. Você não precisa trocar 100% de um jeito pelo outro, basta que tenha sensibilidade para saber quando usar cada um, mantendo sempre o equilíbrio característico da felicidade.

    Sabemos como foi o início da nossa vida e que teremos um fim – desconhecido ainda. O único tempo que você tem é o agora, onde pode construir ou destruir o que quiser e tiver coragem de fazer.
   Moral da história: “brinque de ser sério. Leve a sério a brincadeira.” (Rita Lee – rockeira)

Cinésio Lima

Nenhum comentário :

Postar um comentário

"O sucesso normalmente contempla aqueles que estão ocupados demais para procurar por ele"