quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Do Mensageiro ao Celular VI

image     “O único caminho para desvendar os limites do possível  é aventurar-se além dele, através do impossível.” Arthur C. Clarke         (*16 de  dezembro  de 1917    †19 de março de 2008)
Até 1945, não se ouvia falar em comunicação via satélite, mas em outubro daquele ano, um Artigo  Cientifico publicado na Revista Wireless World, intitulado - Conceito de Satélite Geoestacionário – mudou radicalmente a pauta de debate e pesquisas sobre comunicação global. Seu Autor, um pesquisador e estudante de Física e Matemática, filho de agricultor, estudou em escolas populares até se alistar na Força Aérea Britânica, onde serviu durante a II Guerra Mundial como especialista em radar. Trabalhou na Sociedade  Interplanetária Britânica, Licenciou-se em Física e Matemática em  1948 (Kings College de Londres). Publicou várias obras de ficção cientifica, entre elas: “2001 Uma Odisséia no Espaço” e “2010   O ano em que faremos contato”.  Recebeu vários prêmios,  entre eles o nome de Órbita de Clarke, ao local específico onde os satélites  são  “estacionados”.
         Em seu Artigo, Clarke descreveu com detalhes a possibilidade de Satélites colocados a uma determinada distância da Terra, ficarem em órbita geoestacionária com a mesma, isto é, embora em movimento constante, haveria um ponto fixo em relação a Terra. Sua previsão se realizou   vinte e cinco anos mais tarde. E trinta e nove anos depois, o Brasil passou a usar essa tecnologia que permitiu verdadeiramente a Integração Nacional, e um contato direto com o mundo. Até 1985, poucos tinham acesso ao sistema, era caro e ineficiente, comparado com a tecnologia que temos hoje. Muitos lares brasileiros no mais longínquo  sertão  tem acesso a informação e entretenimento através de uma simples e pequena antena parabólica “apontada” para o satélite (atual) Star One C 2, ou outros  30 satélites com visão  para o Brasil.

 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

"O sucesso normalmente contempla aqueles que estão ocupados demais para procurar por ele"